Lilian Farah Nagato

lilian@temafavela.com.br

Arquiteta urbanista formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) em 2003, com mestrado concluído em 2012 pela mesma instituição.

Durante o Trabalho Final de Graduação, estudou urbanização de favelas em áreas de mananciais. No mestrado, na área de concentração Tecnologia da Arquitetura, sob a orientação do Prof. Dr. Reginaldo Luiz Nunes Ronconi, pesquisou o uso de técnicas ambientalmente responsáveis em projetos e empreendimentos de habitação de interesse social e urbanização de favelas.

Fez estágio em diversos escritórios de arquitetura, e na ‘Fundação Prefeito Faria Lima – CEPAM’. Adquiriu experiência em projetos de hotéis e pousadas, residências e com ‘design universal – acessibilidade de pessoas portadoras de deficiência’.

Como arquiteta, trabalhou na ong ‘GTA – Grupo Técnico de Apoio’, em projetos de urbanização para as favelas Jardim Olinda, no Campo Limpo, e Paraisópolis, no Morumbi, em São Paulo. Participou do Plano Habitacional do Estado do Ceará.

Trabalhou na ‘Pró-Habitação’, companhia pública do município de Embu das Artes, na Grande São Paulo, por 10 anos, com projetos habitacionais de interesse social, urbanização de favelas, e construção de unidades habitacionais.

Atualmente, divide seu tempo entre a maternidade, a prática profissional, e o aprendizado constante de quem foi viver em outro país. Mora em Portugal, onde tem atuado com certificação energética de imóveis, e projetos de arquitetura mais sustentável.

 

Tatiana Urbanovik Brandimiller

tatiana@temafavela.com.br

Arquiteta urbanista graduada em 2002 pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado – Faculdade de Artes Plásticas – Curso de Arquitetura e Urbanismo) em São Paulo, com pós-graduação em Direito Urbanístico na PUC-MG, e mestrado pela FAU-USP, concluído em 2017.

Enquanto estudante, atuou no movimento estudantil de arquitetura na Diretoria de Ensino Pesquisa e Extensão DIEPE, gestão 1999/2000 – FENEA (Federação Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo), e participou de encontros e seminários promovidos pela FENEA como estudante e “oficineira”.

Após a conclusão do curso, passou a atuar na área de planejamento urbano, como arquiteta, na OSCIP GTA, onde pôde desenvolver projetos de urbanização de favelas e projetos de interesse social. Nesse período adquiriu experiência no desenvolvimento de projetos participativos de interesse social, junto às comunidades beneficiadas.

Entre os anos de 2004 e 2008, foi assessora técnica de direção, na Secretaria de Habitação de Guarulhos, onde participou da elaboração/coordenação de planos e projetos urbanísticos (experiência na área de urbanismo, trabalho técnico social e regularização fundiária). Em 2008 passou a trabalhar na construtora MHS continuando a atuar na área de projetos de interesse social no município de Guarulhos.

No fim de 2009, passou a trabalhar com regularização fundiária, primeiro para o consórcio Diagonal-Herjacteck, e depois para a Diagonal Urbana, já pela Tema, no município de São Bernardo do Campo.

De 2010 até 2013, cursou uma pós-graduação em Direito Urbanístico na PUC Minas por meio da PUC Minas Virtual. Como trabalho de conclusão de curso – TCC, foi apresentado o trabalho: Programa de Regularização Fundiária Sustentável de Assentamentos Irregulares de São Bernardo do Campo: avanços e desafios para o processo de regularização, o qual realizou a análise do Programa a partir dos princípios trazidos pelo Estatuto da Cidade e pela nova ordem urbanístico-jurídica brasileira.

No mestrado pela FAU-USP, na área de concentração Habitat, sob orientação da profª. Dra. Luciana Royer, pesquisou e escreveu sobre a política de regularização fundiária em São Bernardo do Campo, SP.

Atualmente, cursa o doutorado na Faculdade de Engenharia do Porto, em Portugal.

 

Terezinha de Oliveira Gonzaga

terezinha@temafavela.com.br

Curriculo Lattes

Arquiteta e Urbanista formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo desde 1992 e doutorada em Estruturas Ambientais Urbanas com a pesquisa “A cidade e a Arquitetura também mulher: conceituando a metodologia de planejamento urbano e projetos arquitetônicos do ponto de vista de gênero”, em 2004.

Sua primeira formação foi em artes plásticas, desenho e educação artística, com licenciatura, e ministrou aulas durante 14 anos.

Paralelamente, desde 1974, iniciou experiências nas favelas com estudos do espaço, com ênfase nos mobiliários no município de Osasco. Em 1976, trabalhou como comunicadora visual na Secretaria Estadual de Planejamento com produção gráfica de mapas. Em 1978 e 1979, na EMPLASA, no Projeto de Enchentes, e de 1983 a 1985 na Secretaria Estadual dos Negócios Metropolitanos na assessoria de planejamento.

De 1985 a 1993, trabalhou na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano – PMSP – Superintendência de Habitação Popular (HABI – Sul), que compreendia as favelas de Campo Limpo e Butantã. Foi nessa época que teve início na PMSP a implantação de um Programa de Urbanização de Favelas.

Em 1993, foi fundadora com mais dois arquitetos e uma arquiteta da ONG, hoje OSCIP GTA – Grupo Técnico de Apoio, no qual aprofundaram as experiências de urbanização de favelas, principalmente no que concerne a saneamento básico e assessoria a mutirões de construção de habitação de interesse social / habitação popular. Fez parte da coordenação da equipe multidisciplinar sociocultural; coordenou o Programa de Recuperação das Nascentes do rio Tamanduateí e seus entornos pela Prefeitura Municipal de Mauá, o Plano de Ação Urbano da Brasilândia – Cities Alliance – Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo; desenvolveu acompanhamento de Prosanear no processo de projeto e de execução de obras em Itapevi, São Paulo – Pedra sobre Pedra, Cidade Ademar, Zona Norte de São Paulo, Taboão da Serra e Prodec em São Paulo pela CEF – Caixa Econômica Federal.

Foi diretoria de divisão – Coordenadora do Programa de Urbanização de Favelas – da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de Taboão da Serra, de 2005 a 2011.

Atualmente, está na prefeitura de Votuporanga, na secretaria de Habitação, e também leciona na UNIFEV – Centro Universitário de Votuporanga, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Paralelo a esta trajetória profissional, participa do movimento feminista e do movimento ambientalista. De 1975 a 1979, da Sociedade Brasil Mulher e da Casa Universitária de São Paulo, de 1980 até o presente, da União de Mulheres de São Paulo, tendo organizado um núcleo de gênero, meio ambiente e moradia, e conduzido um mutirão do Programa Sonho Meu do CDHU com 25 mulheres em parceria com mais três entidades.